Bahia é o estado do país com maior déficit de leitos de UTI neonatal, aponta pesquisa

Bahia é o estado do país com maior déficit de leitos de UTI neonatal, segundo uma pesquisa divulgada pela Sociedade Brasileira de Pediatria. Esses tipos de leitos são específicos para crianças prematuras, que nascem antes de completar 37 semanas e que apresentam quadros clínicos graves.

Conforme o levantamento, a Bahia conta atualmente com apenas 332 leitos de UTI neonatal, que recebem crianças de até 45 dias. O ideal para atender toda a demanda do estado, no entanto, conforme a pesquisa, seria mais que o dobro da quantidade disponível.

A pesquisa aponta que em todo Brasil há um déficit de 3.305 leitos. No país, conforme o levantamento, nascem quase 40 bebês prematuros por hora — mais de 900 por dia.

A Sociedade Baiana de Pediatria diz que, graças às novas tecnologia que permitem o diagnóstico precoce de doenças em mães e filhos, nascem muito mais bebês atualmente do que há 20 anos. No entanto, segundo o órgão, os bebês precisam cada vez mais de cuidados especiais nos primeiros dias de vida.

“Esses bebês nascem com uma prematuridade e, daí, a necessidade de ir para a UTI. A falta de leitos é grave, realmente, porque esses bebês perdem a chance de de uma sobrevida. Alguns chegam a morrer antes que se dê todo esse atendimento adequado”, destaca a presidente da Sociedade Baiana de Pediatria, Dolores Fernandes.

A filha de Áurea dos Santos nasceu há nove dias com uma doença grave no coração e está internada na UTI neonatal do Hospital Roberto Santos, mas precisa ser transferida para uma unidade mais especializada com urgência. A mãe diz, no entanto, que faltam vagas.

“Desde o dia que entrou na UTI, eles dizem que estão colocando o nome dela na regulação, mas nunca tem vaga, nem no [hospital] Santa Isabel e nem no [hospital] Ana Nery. Hoje, a médica me disse que o estado [de saúde] dela se agravou durante a noite e que ela precisa, em 24 horas, fazer intervenção cirúrgica ou então ela pode vim a óbito. Eu me sinto de coração partido, porque é um sonho para mim ser mãe, ainda mais de uma menina e, nesse momento, estou pedindo forças a Deus para aguentar tudo que vai acontecer. É uma batalha longa, mas tenho certeza que vamos conseguir”, disse Áurea.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) informou que a Central Estadual de Regulação está acompanhando o caso da filha de Áurea e está em busca de leito compatível com o perfil da paciente.

O Ministério da Saúde disse que o número de leitos de UTI neonatal que atendem pelo SUS teve um aumento de, aproximadamente, 10% entre os anos de 2015 e 2018, totalizando 4.697 leitos disponíveis na rede pública em todo o país. Segundo a pasta, os gestores estaduais e municipais são quem definirem a quantidade de leitos que devem ser oferecidos à população.

O órgão destacou, ainda, que, desde 2011, incentiva a abertura de novos serviços por meio da Rede Cegonha, que garante recursos adicionais para os gestores. Ainda de acordo com o Ministério, foram investidos mais de R$ 230 milhões na estratégia até então. Fonte:G1

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here